domingo, 3 de agosto de 2008

da série "detalhes"- A SOLIDÃO DO CHATO


- A certeza de que a insônia é um mal universal, por isso ,sempre telefonar pra conversar de madrugada.
- Maltratar os outros porque não faz sexo há meses.
- Item anterior quando se é chefe de uma repartição qualquer da vida.
- Silêncio sempre ensurdecedor.
- Adriana Calcanhoto e aquela música terrível do “Buchecha sem Claudinho”
- Sobriedade em barzinhos.
- Autoconfiança de papel.
- Auto-suficiência de araque.
- Mudança de hábitos antigos para manias insuportáveis.
- Dieta eterna: corrida matinal, morrer saudável, nada de apegos, nada de carboidratos ou sensibilidade.
- Debochar do parceiro alheio.
- Debochar do romantismo alheio.
- Debochar da vida social alheia.
- Debochar, enfim.
- Acreditar na máxima “antes só que mal acompanhado” por falta de máximas.
- Gatos de estimação.
- Morar só.
- Comida chinesa/italiana/ tailandesa.
- A certeza de que os amigos sempre estão vivendo em sua função.
- Ter amigos bastante “ocupados”.
- Não ser convidado pra nada com a desculpa de que “acho que você não iria curtir...”.
- Estar solteiro por opção.

Todo chato é um solitário incorrigível.

Um comentário:

PedroNegro disse...

o zé bonetón é tão tezão, bróder.