segunda-feira, 20 de outubro de 2008

A série de uma não-detalhista

Acho que vou mudar o nome do blog de “quarto” para “confessionário”! Tem sempre algo pessoal envolvendo isso aqui. Nem queria que fosse, mas...

Pois bem, dessa vez, escrevo sobre detalhes. Não!! Não é mais uma das listas às quais vocês estão acostumados... Listas, inclusive, que me renderam elogios, mesmo de pessoas que não deixam seu comentário e endereço pra contato; porém, sei que são bons leitores e freqüentadores desse cantinho aqui...Obrigada! Sempre pensei que um dia a série “detalhes” fosse ter fim por simples falta do que escrever. Mas a cada comentário e sugestão, percebo que ainda há muito a “detalhar” em listas...

Mas a princípio, queria esclarecer que “detalhes” é uma série que não tem a ver comigo, se vocês tomarem ao pé da letra. Não parece, mas eu sou a pessoa mais generalizadora que vocês podem conhecer. Nunca fui atenta a detalhes; eles me passam de forma despercebida, pois sou muito distraída... Esse é um dos motivos pelos quais eu faço listas: para lembrar o que pode me fugir à razão.

As pequenas coisas da vida, os pequenos prazeres nunca foram detalhes para mim, na verdade! Fazem parte do meu dia-dia, assim como ir para a faculdade. Acredito que tudo o que listo na série é muito habitual para mim. Assim como para Arnaldo Antunes, acho que “as coisas têm, peso, volume, tamanho, tempo, forma, cor, densidade, cheiro valor...”. Isso não é detalhe nenhum, queridos. É comum. Se sentirmos que o cheiro de alguma coisa é um detalhe, não é diferencial. É insensibilidade. O cheiro está lá para ser sentido...

Agora: por que o nome da série é “detalhes”? Por um acaso teria o mesmo efeito sobre vocês se tivesse o nome de “série coisas comuns que eu acho que deveriam ser comuns para todos”? Foi impossível escapar desse termo... É acessível, direto e todo mundo entende...

Bem, no fim, tudo isso é para esclarecer de vez que eu não sou uma detalhista. Detesto esse tipo de rótulo. Detalhistas são metódicos, chatos, organizados, racionais e chatos outra vez. Então, deixo uma pergunta pra vocês pensarem a respeito: o que é o detalhe perto da sensibilidade das minúcias?

Um detalhe pode ir muito além do hábito. Mas nunca vai alcançar a plenitude de quem é sensível. Um detalhe, para mim, continua sendo um detalhe.

6 comentários:

Luiz Felipe Leal disse...

essa metalinguística, tão madura e com ares de (im)(ex)plosão, realmente faz todo sentido. é o tipo de conhecimento que quero digerir e aderir.


grande abraço,

ando sem tempo, mas sempre que venho tiro o atraso dos mil dessa nova fase.

=*

Lulih Rojanski disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lulih Rojanski disse...

Estou refazendo o comentário, pois escrevi errado no outro.
Naiara, por falar em detalhes, os da sua escrita são a sensibilidade e a correção. Beijo pra ti. Saudade.

carmim disse...

ai, detalhes são tão legais!

Laura Cohen disse...

Por favor poste.

Luiz Felipe Leal disse...

vc e suas férias inesperadas-prolongadas.

beijos.